#EuTestei: Fotodepilação

 

Comecei o tratamento de fotodepilação na Jô Cardoso.A fotodepilação é feita através de um equipamento que emite a Luz Intensa Pulsada. O tratamento com Luz Intensa Pulsada é feito com um aparelho que possui uma lâmpada flash de alta energia, que destrói as celular germinativas do pelo para que ele só torne a nascer quando essas células se regenerarem, o que pode levar meses, anos ou até mesmo nunca mais.
É importante ter em mente que nenhum processo de depilação é definitivo, no entanto a fotodepilação é um procediemento duradouro e requer retoques.
Os pelos formam uma espécie de proteção para o nosso corpo, muitos fatores podem influenciar o seu crescimento, mas vou ser muito sincera, por mim eu só ficaria com os pelos da cabeça, dos cílios e da sobrancelha, de resto poderia sair tudinho que eu não sentiria a mínima falta, viu?

 

A fotodepilação está indicada em casos de foliculite pilosa e para pelos indesejados em qualquer região do corpo. A pele ideal para a realização da fotodepilação é a pele clara com pelos escuros e grossos. No entanto, ela pode ser usada para qualquer fototipo (tonalidade da pele), isso porque é possível realizar uma graduação que se adapte ao fototipo do paciente, o que possibilita o tratamento das peles mais claras às mais escuras.

Ânus, pálpebras e áreas ao redor dos olhos, mucosas e bolsa escrotal, por serem áreas mais sensíveis, não podem ser depiladas através desse procedimento.

Ela atinge o bulbo do pelo, não ultrapassando muito esse limite e, por isso, os pacientes podem sentir uma leve fisgada, mas não dor propriamente dita. Eu mesma só senti uma queimação.

É muito importante ressaltar também que a área que estiver passando pelo tratamento não pode ser depilada com cera, apenas gilete. Escolhi testar nas axilas e no buço, que são as regiões que mais me incomodam e que eu não consigo aguentar o tempo certo da depilação porque me dá um desespero absurdo.

Ainda estou na primeira sessão, geralmente são indicada até 10, mas posso dizer que já deu um bom resultado, pois já pude notar algumas áreas falhadas. Com certeza me animei e continuarei o tratamento até me livrar dos pelinhos indesejados.

 

 

Não precisa vir num cavalo branco, só não seja o cavalo

 

Embora a crise dos vinte e poucos anos tenha caído sobre mim e me embrutecido, de certa forma, eu não posso negar que amo um bom e velho clichê. Gosto de reencontros, de beijos na chuva, do cara que chega no aeroporto e impede a mocinha de embarcar no avião. A gente precisa dos clichês pra ter esperança, pra enfrentar o cotidiano com um pouco mais de leveza, mas não vou negar que a indústria Hollywoodiana talvez tenha me feito um pouco ingênua demais no começo da minha vida como adulta, o que é um perigo nos dias de hoje. Ser profunda num mundo de pessoas rasas…

Isso, é claro, me tornou muito mais suscetível à frustrações. A verdade mesmo é que por aí está cheio de gente babaca, de gente que só liga para os próprios interesses e nem sempre nos cabe o papel de mocinha da história, nos restando apenas o famoso e famigerado papel de trouxa.  Eu mesma já estava tão acostumada com ele que já estava até aprendendo a fazer origami.

A verdade mesmo, como disse acima, é que com tempo eu fui embrutecendo, criando um casulo ao meu redor com medo de que alguém ousasse se aproximar e destruir a segurança do mundo que eu construí para poder habitar. E não que eu estivesse mais forte, muito pelo contrário. É que com o passar dos anos a gente fica chato, a gente fica chato até pra escolher por quem se decepcionar. Eu me tornei mesmo foi mais seletiva com quem quer ousar adentrar no meu mundinho complexo. Hoje pela manhã uma amiga me enviou uma frase que achei bem peculiar e dizia o seguinte : “Não precisa vir num cavalo branco, só não seja o cavalo”. Não que eu estivesse me fechando para as pessoas, pode vir, não repara a bagunça, mas, por favor, não quebre nem tire nada no lugar, principalmente se estiver só “dando uma olhadinha”.

Porque, sem dúvidas, de todos os presentes que os anos me trouxeram, o mais valioso deles no momento tem sido a maturidade emocional. Eu gostava de chamar isso de “preguiça de pessoas”, mas vamos chamar de maturidade emocional porque é mais bonitinho. Essa minha nova fase consiste em, basicamente, não tentar segurar mais nada na minha vida, nem pessoas e nem situações. Que aconteça o que tiver que acontecer,  que vá quem quiser ir e que permaneça quem achar que deve. Mas, por favor, que avise se estiver só de passagem. Não finja que quer ficar , não pense que pode sair e entrar da minha vida quando bem entender.

Eu sempre fui daquelas que tentam até a última oportunidade, até a última lágrima, a última gota de suor, com tudo na minha vida, dos meus sonhos até os meus relacionamentos, mas no fim eu sempre acabava exausta e com um vazio que doía muito mais do que se eu tivesse simplesmente deixado ir. Foi aí que o tempo, esse eterno professor, me mostrou que se você tem que forçar demais para que algo aconteça é porque não é pra ser, principalmente se você é o único que parece que está fazendo alguma coisa. Não me sinto covarde por dizer isso, nem egoísta, sabe por quê? Vou ilustrar a situação com os meus tão amados clichês: porque quando vem de Deus a gente sabe, porque é leve. Porque quando é pra ser, até quem tenta atrapalhar ajuda.

E é isso! Porque quando alguém quer ficar ao seu lado não tem dia ruim, não tem horário,  rotina,  trabalho, ex, atual, tempestade, tsunami, unha encravada que impeça. Entenda de uma vez por todas,  quem quer ficar ao seu lado fica, é simples. Não precisa de melhor amiga, mãe, terapeuta, Yahoo Respostas pra te dizer isso,  porque eu tenho certeza que bem aí no fundo você sabe.

Pelo amor de Deus apenas parem de inventar desculpas para os outros e, principalmente para vocês! Se quiserem ter algo real, parem de entreter pessoas temporárias. A não ser que você só queira isso mesmo, se divertir, o que eu dou total apoio desde que o outro tenha total ciência disso.

E nunca, jamais, sob hipótese alguma, ouse deixar seu amor próprio de lado e tratar como prioridade quem te trata como opção. Não passe seu sábado em casa esperando uma ligação dele que muitas vezes nem vai chegar, nem de fazer as coisas que você gosta por causa da remota possibilidade de no fim da noite a pessoa te procurar em cima da hora te querendo te ver. Se isso aconteceu é porque, provavelmente, não conseguiu coisa melhor e lembrou que você, a boba, está sempre disponível quando as coisas não saem conforme o esperado. Pelo amor de Deus, não seja o plano B de ninguém. E desapega, deixe as pessoas da sua vida livres para irem. Se não voltarem é livramento, vida que segue. Se voltarem é porque não encontraram coisa melhor e, cá entre nós, Deus não te fez esse mulherão da porra  pra ser segunda opção de ninguém, não é não?

Deixa estar. Deixa que um dia chega alguém que vai cruzar o país nem que seja pra sentar na calçada da sua casa e jogar conversa fora, alguém que você não precise de jogos, porque, convenhamos, é muito chato ter que fingir que não tá nem aí  quando na verdade você tá aí pra caralho mas tem medo de demonstrar e a pessoa correr pra 200km de distância de você. Vai chegar alguém que não invente que está interessado quando na verdade só está sondando o terreno e te segurando pra ver se aparece coisa melhor, pra ver se a pessoa que ele quer termina o namoro, pra ter alguém só pra não ficar sozinho (que , convenhamos, é de uma imaturidade e egoísmo do caramba).  Vai chegar alguém que não vai se assustar por você ser uma mulher forte, pelo contrário, vai admirar isso em você, alguém que não se importe que você faça piadinha com tudo, que fale alto quando fica feliz demais ou que tropece em tudo que vê pela frente (eu sou assim, licença).

E se não aparecer, desde quando tu precisa de macho pra ser feliz? Eu hein! Qualquer pessoa que não saiba reconhecer a mulher incrível que eu sou é não digno da minha companhia. E não me importo nem um pouquinho de ser chamada de fria por causa disso, até me divirto quando isso acontece. Até porque, que me desculpe Tom Jobin, mas fundamental é mesmo o amor sim… o amor PRÓPRIO, pois é perfeitamente possível ser feliz sozinho. E pelo amor de Deus aprenda de uma vez por todas que não há nada de errado em ficar sozinha. Se você mesma não aprecia a sua companhia,  como espera que os outros apreciem?

E joga tudo pro vento e deixa levar. Há tantas experiências incríveis para serem vividas, tantas paisagens para serem vistas, tantos temperos, tantos cheiros, tantos sabores, cores para serem vistas. O mundo é tão grande e há tantas infinitas possibilidades de capítulos que você pode escrever na sua história, que quem disse que o final feliz precisa incluir príncipe (ou o cavalo, no caso)?

Coloca um sorriso no rosto, ergue essa cabeça, manda um beijinho pro espelho e vai viver, se joga menina! E o mais importante, aprenda de uma vez por todas que o primeiro coração do qual devemos fazer morada é aquele que pulsa dentro do nosso próprio peito.